terça-feira, 9 de março de 2010

Bill Gates fala sobre as "vacinas para reduzir a população"

O fundador da Microsoft e um dos homens mais ricos do mundo, Bill Gates, projeta uma imagem de um filantropo benigno usando seus bilhões (isento de taxas) via seu Bill e Melinda Gates Foundation, para combater doenças, resolver a escassez de alimentos na África e diminuir a pobreza. Em recente conferência na Califórnia, Gates revelou uma agenda oculta de sua filantropia: a redução da população, também conhecida como eugenia.


Em território inglês, um dos mais poderosos homens dentre os estados do mundo, afirma esperar claramente que as vacinas sejam usadas para reduzir o crescimento da população. Quando Bill Gates fala sobre vacinas, fala com autoridade. Em Janeiro de 2010 perante a elite do Fórum Econômico Mundial em Davos, Gates anunciou que sua fundação poderia doar 10 bilhões (cerca de 7,5 bilhões de euros) para desenvolver, na próxima década e entregar novas vacinas para crianças no mundo em desenvolvimento (1).

O foco principal de sua multibilionária Fundação Gates é a vacinação, especialmente na África, e outros países subdesenvolvidos. Bill anda Melinda Gates Fundação é um membro fundador da GAVI Aliance (Aliança Global para Vacinação e Imunização) em parceria com o Banco Mundial, a OMS e a indústria de vacinas. O objetivo da GAVI é vacinar todas as crianças recém-nascidas nos países em desenvolvimento.

Agora, soa como um nobre trabalho de filantropia. O problema é que a indústria da vacina tem sido flagrada repetidamente disseminando perigos – indicando efeitos nocivos devido não terem sido testadas ou provadas – na população inconsciente do terceiro mundo, quando eles não conseguem se livrar das vacinas no Ocidente. Louise Voller, Kristian Villesen, (2) e outras organizações têm sugerido que o verdadeiro objetivo da vacinação é tornar as pessoas doentes e muito mais susceptíveis a doenças e morte prematura (3).

Disseminando toxinas no Terceiro Mundo

Na seqüência da mais recente emergência e desnecessária declaração de uma Pandemia Global H1N1, gripe suína, os países industrializados mantiveram centenas de milhões de doses de vacinas. Eles decidiram se desembaraçar das drogas constrangedoras e despejá-las de graça, através da OMS, que elegeu livremente alguns países. A França doou 91 milhões dos 94 milhões de doses que o governo Sarkozy comprou dos gigantes farmacêuticos. A Grã-Bretanha forneceu 55 milhões dos 60 milhões de doses. A história da Alemanha e da Noruega é similar (4)

Como notou o Dr. Thomas Jefferson, um epidemiologista do Cochrane Reserch Center em Roma: "Por que eles dão as vacinas para os todos os países em desenvolvimento? A pandemia tem sido assim chamada na maioria dos países do mundo. A grande ameaça nos países pobres, agora, são as doenças do coração e doenças do aparelho circulatório, enquanto o vírus encontra-se na parte inferior da lista. Qual a razão médica para a doação de 180 milhões de doses?" (5) Desse modo, a gripe é um problema menor nos países com sol abundante, e descobriu-se que a "nova grande praga" era uma das mais brandas nos registros.

Os fabricantes farmacêuticos da vacina não falam sobre os enormes danos da vacinação para as crianças, incluindo o autismo e numerosas deformidades neuromuscular que foram detectadas a partir dos coadjuvantes tóxicos e conservantes utilizados na maioria das vacinas. Muitas vacinas, especialmente as multi-doses que são produzidas mais barato para venda aos países do Terceiro Mundo, contém uma substância chamada Thimerosal (Thimersol na UE), um composto (ethylmercurithiosalicylate de sódio) contendo cerca de 50% de mercúrio, usado como um conservante.

Em julho de 1999 o US National Vaccine Information Center declarou em um comunicado que "O efeito acumulativo da ingestão de mercúrio pode causar danos cerebrais". No mesmo mês, a American Academy of Pediatrics AAP (Academia Americana de Pediatria) e o Centers for Disease Control and Prevention (CDC – Centro e Controle e Prevenção de Doenças) alertaram o público sobre os possíveis efeitos na saúde associado com o thimerosal contido na vacina. Eles recomendaram firmemente que o timerosal seja removido das vacinas o mais rapidamente possível. Sob as diretivas da FDA Modernization Act de 1997, a Food and Drugs Administration (Administração de Alimentos e Drogas) também determinou que as crianças que receberam várias vacinas contendo o timerosal foram expostas ao mercúrio acima das diretrizes recomendadas (6)

Uma nova eugenia?

O interesse de Gates a indução da redução da população entre as populações negras e outras minorias não é novo, infelizmente. Como eu documentei em meu livro, Seeds of Destruction -As sementes da Destruição - (7), desde 1920 a Fundação Rockfeller financiou a pesquisa eugênica na Alemanha através do Instituto Kaise Wilhem, em Berlim e Munique, legando o benefício ao Terceiro Reich. Eles elogiaram a esterilização forçada de pessoas pela Alemanha de Ritler, e as idéias nazistas de raça "pura". John D. Rockfeller III, teve uma longa vida como defensor da eugenia, o qual usou o dinheiro de sua fundação "isenta de impostos" para iniciar a redução populacional do movimento neo-Malthusiano através de sua privada fundação denominada Population Concil (Conselho da População) iniciada em 1950.

A idéia de usar vacinas para reduzir secretamente os nascimentos no Terceiro Reich também não é nova. Bill Gates e seu bom amigo David Rockfeller e sua Fundação Rockfeller estão envolvidos desde 1972 num grande projeto em conjunto com a OMS (Organização Mundial da Saúde) e outros para aperfeiçoar outra "nova vacina"

O resultado do projeto OMS-Rockfeller foi aplicado maciçamente em cobaias humanas no início da década de 1990. A OMS supervisiona as campanhas de vacinação massiva contra o tétano na Nicarágua, México e nas Filipinas. O Comitê Pró-Vida do México, uma organização laica, desconfiou dos motivos por trás do projeto da OMS e decidiu testar vários frascos da vacina e encontrou a substância Chorionic Gonadotropin, ou hCG. Este era um curioso componente para uma vacina destinada a proteger pessoas contra infecções por pregos enferrujados ou outro contato com bactérias encontradas no solo. O tétano, de fato, era uma doença também bastante rara. Isto também era curioso, porque o hCG é um hormônio natural para manter a gravidez. No entanto, quando combinado com um portador de toxóide de tétano, isto conduzia à formação de anticorpos contra o HCG, tornando a mulher incapaz de manter uma gravidez, uma forma de aborto escondido. Relatos similares de vacinas produzidas com hormônios hCG originaram-se das Filipinas e Nicarágua (8).

A "Revolução genética de Gates na África"

A Fundação Bill e Melinda Gates, junto com a Fundação David Rockfeller, os criadores da biotecnologia GMO (transgênicos), são também os financiadores do projeto chamado The Aliance for a Green Revolution in África (AGRA - Aliança para uma Revolução Verde na África) chefiada pelo ex-chefe da ONU, Kofi Annan. Ao aceitar sua indicação como chefe da AGRA em julho de 2007, Annan expressou sua "gratidão à Fundação Rockfeller, à Bill e Melinda Gates Fundation, e a outros que apoiaram nossa campanha Africana". O Conselho da AGRA é dominada por pessoas de ambas as fundações, a Gates e a Rockfeller (9).

A Monsanto, DuPont, Dow, Syngenta e outros principais gigantes da GMO (agrobusinnes da transgenia) estão colocados no coração da AGRA, usando-a como a porta dos fundos para espalhar suas sementes patenteadas OGM (transgênicas) em toda a África sob o rótulo enganador de "biotecnologia"; um eufemismo para a engenharia genética patenteada das sementes. A pessoa responsável na Fundação Gates por este trabalho junto à Agra é o Dr. Roberto Horsch, um veterano que trabalha para a Monsanto há 25 anos, e estava na equipe que desenvolveu a tecnologia Roundup Ready da Monsanto, OGM. Seu trabalho é declaradamente utilizar o dinheiro de Gates para a introdução da OGM (transgênicos) na África (10)

...Até esta data, a África do Sul é o único país africano que permite a plantação legal de cereais OGM (transgênicos). Em 2003 Burkina Faso autorizou testes com OGM. Em 2005 a Gana de Kofi Annan adotou leis de bio-segurança e funcionários expressaram a intenção de prosseguir a investigação sobre cereais OGM. A AGRA está sendo usada para criar redes de "agro-distribuidores" por toda a África, inicialmente sem mencionar as sementes GMO ou herbicidas, aguardando para possuir a infra-estrutura nos locais de introdução massiva (11).

GMO, glifossato e a redução da população

O cultivo de GMO (sementes modificadas) jamais foi provado como segura para o consumo humano ou animal. Alem disso, são geneticamente "instáveis", como são inerentes os produtos não naturais introduzidos desde o estrangeiro, como as bactérias Bacillus Thuringiensis (Bt) ou outro material usado para mudança do DNA de uma determinada semente para mudar suas características. Igualmente perigosos são os "herbicidas químicos" emparelhados e vendidos como parte obrigatória de um contrato de OGM, como o Roundup, da Monsanto, o mais usado herbicida em todo o mundo (12). Ele contém compostos altamente tóxicos de componentes de glifossato que foram testados e comprovados, independentemente de existir em concentrações tóxicas em aplicações de OGM, muito acima do que seria considerado seguro para humanos e animais. Testes mostram que pequenas quantidades de compostos de glifossato causariam danos a uma das células humanas do cordão umbilical, da placenta e células embrionárias em uma mulher grávida que beba água subterrânea em campos de aplicação de transgênicos (13)

Um projeto de longa data do Governo dos EUA foi perfeito para uma variedade geneticamente modificada de milho, o alimento básico da dieta no México e em muitos outros países latino-americanos. O milho foi testado em projetos financiados pelo Departamento da Agricultura dos EUA, juntamente com uma pequena companhia de biotecnologia da Califórnia, chamada Epicyte. Anunciando seu sucesso numa conferência de imprensa de 2001, o presidente da Epicyte, Mith Hein, apontando para suas plantas de milho OGM, anunciou: "Temos uma estufa cheia de plantas de milho que fazem dos anticorpos, anti-espermas (14)

Hein explicou que eles tinham anticorpos de mulheres como uma condição rara conhecida como infertilidade imunológica, isolou os genes que regulavam a fabricação desses anticorpos da infertilidade e, usando técnicas de engenharia genética, inseriu os genes em sementes de milho comum usado para produzir as plantas do milho. Desta forma, na realidade, eles produziram um contraceptivo oculto incorporado na cultura do milho, destinado ao consumo humano. "Essencialmente, os anticorpos são atraídos para receptores na superfície do esperma", disse Hein. "Eles agarram-se fazendo cada espermatozóide tão pesado que não pode avançar. Ele apenas sacode sobre si, como se estivesse fazendo a lambada" (15). Hein alegou que era uma solução possível para o mundo "super-povoado". A moral e as questões éticas sobre a alimentação para os seres humanos pobres do Terceiro Mundo sem seu conhecimento e dos países, ficam fora de suas observações.

Espermicidas escondidos no milho OGM, para matar a fome das populações do Terceiro Mundo através da generosidade da Fundação Gates, da Fundação Rockfeller e da AGRA de Kofi Annam, ou vacinas que contém agentes desconhecidos de esterilização são justamente apenas dois casos documentados de utilização de vacinas e sementes OGM para "reduzir a população".

O "Clube dos Bons"

O discurso de Gates no TED2010, em zero de emissões e redução da população está de acordo com um relatório que apareceu na mídia étnica de Nova York, Irish Central.com, em maio de 2009. De acordo com o relatório, uma reunião secreta realizada em 5 de maio de 2009, na casa de Sir Paul Nurse, presidente da Universidade Rockfeller, entre algumas das pessoas mais ricas da América. O guru dos investimentos Warren Buffett, o qual, em 2006 decidiu juntar seus 30 bilhões de dólares da Buffet Fundação para a Fundação Gates, com a finalidade de criar a maior fundação privada do mundo com cerca de 60 bilhões de dólares livres de impostos. Estava presente o Banqueiro David Rockfeller e foi o anfitrião.

O convite exclusivo foi assinado por Gates, Rockfeller e Buffet. Eles decidiram chamarem-se a si mesmos de "Clube dos Bons". Também esteve presente o czar da mídia Ted Turner, bilionário fundador da CNN que declarou em uma entrevista de 1996 para a revista da natureza de Audubon, afirmando que a redução de 95% da população do mundo entre 225 e 300 milhões seria "ideal". Numa entrevista em 2008 na Filadélfia, na Temple University, ajustou o número para 2 bilhões, uma redução de mais de 70% da população de hoje. Menos elegante do que Gates, Turner declarou que "temos muitas pessoas. É por isso que temos o aquecimento global. Precisamos de menos pessoas usando menos coisas (sic)" (16).

Outros que atenderam ao primeiro convite do Clube dos Bons foram: Eli Broad, o prefeito bilionário de Nova York, Michael Boomberg e o bilionário de Wall Street e do Conselho das Relações Exteriores, ex-chefe, Peter G. Peterson.

Além disso, Julian H. Robertson Jr, o bilionário hegde-found que trabalhou com Soros atacando a moeda da Tailândia, Indonésia, Coréia do Sul e as economias asiáticas, precipitando a crise Asiática de 1997-98. Também se apresentou nesta primeira sessão do Clube dos Bons, Paty Stonesifer, ex-chefe executiva da Fundação Gates, e John Morgridge da Cisco Systems. O grupo representou uma fortuna conjunta e mais de U$ 125 bilhões (17)

De acordo com os relatos que aparentemente deixou "escapar" um dos participantes, a reunião foi realizada em resposta à desaceleração econômica global e à saúde de numerosos e a crise do meio-ambiente que ameaça potencialmente a sociedade e a indústria global (18)

Mas o tema central e a proposta do Clube dos Bons na reunião secreta dos plutocratas foi a prioridade apresentada por Bill Gates, ou seja, como avançar mais efetivamente sua agenda para o controle da natalidade e a redução da população global. Nas conversações houve consenso de que deveriam "voltar à estratégia na qual o aumento da população será abordada como uma ameaça potencialmente desastrosa, ambiental, social e industrialmente" (18)

Agenda Globa da Eugenia

Gates e Buffet são os maiores financiadores de programas de redução global da população, como Turner, cuja fundação da ONU foi criada para aplicar U$ 1 bilhão de imposto sobre ganhos de ações na AOL-Time-Warner em vários programas de redução de natalidade no mundo em desenvolvimento (19). Os programas na África e em outros lugares são mascarados como filantropia e prestação de serviços de saúde para os africanos pobres. Na realidade, eles envolvem a esterilização involuntária da população através de vacinação e outros medicamentos que tornam as mulheres em idade fértil, inférteis. A fundação Gates, onde Buffet deposita a maior parte de sua riqueza, há dois anos, também está apoiando a introdução de sementes de OGM na África sob o manto do Kofi Annam, liderando a "Segunda Revolução verdade na África". A introdução de sementes patenteadas OGM na África até esta data sofre enorme resistência indígena.

Especialistas em saúde apontam que, se a intenção de Gates realmente é para melhorar a saúde e o bem-estar dos negros africanos, as mesmas centenas de milhões de dólares que a Fundação Gates tem investido em vacinas testadas e inseguras poderiam ser utilizados no fornecimento de sistemas mínimos de água e esgoto sanitário. Vacinar uma criança que vai beber fezes na água de um rio poluído é pouco saudável em qualquer aspecto. Mas é claro que a limpeza da água e esgoto da África iria revolucionar as condições de saúde do Continente.

No encontro TED2010, Gates fez comentários sobre obter novas vacinas para reduzir a população mundial, foi obviamente um comentário in off. Para aqueles que duvidam, na apresentação de Gates no encontro anual TED2010, disse quase a mesma coisa sobre a redução da população para reduzir o aquecimento global. Para o forte e poderoso Clube dos Bons, os seres humanos parecem ser uma forma de poluição, tal como o CO2.

F. William Engdahl

Author of Seeds of Destruction: The Hidden Agenda of Genetic Manipulation.. He also authored A Century of War: Anglo-American Oil Politics and the New World Order (Pluto Press). His latest book is Full Spectrum Dominance: Totalitarian Democracy in the New World Order (Third Millennium Press).

Trad. Vera Lucia vassouras

Texto Original: http://www.voltairenet.org/article164347.html - Bill Gates talks about ‘vaccines to reduce population’

--------------------------------------------------------------------------

[1] "Bill Gates makes $10 billion vaccine pledge", London Telegraph, January 29, 2010.

[2] "WHO Donates Millions of Doses of Surplus Medical Supplies to Developing countries", Danish Information, 22 December 2009.

[3] One is the Population Research Institute in Washington.

[4] Louise Voller et al, op. cit.

[5] Ibid.

[6] Noted in Vaccinations and Autism.

[7] F. William Engdahl, Seeds of Destruction: The Hidden Agenda of Genetic Manipulation, Global Research, Montreal, 2007, pp. 79-84.

[8] James A. Miller, ["Are New Vaccines Laced With Birth-Control Drugs"?, HLI Reports, Human Life International, Gaithersburg, Maryland; June-July 1995.

[9] Cited in F. William Engdahl, "Doomsday Seed Vault" in the Arctic: Bill Gates, Rockefeller and the GMO giants know something we don’t, Voltaire Network, 19 October 2009.

[10] Mariam Mayet, "Africa’s Green Revolution rolls out the Gene Revolution, African Centre for Biosafety", ACB Briefing Paper No. 6/2009, Melville, South Africa, April 2009.

[11] Ibid.

[12] GMO Scandal: The Long Term Effects of Genetically Modified Food in Humans, by F. William Engdhal, Voltaire Network, 15 September 2009.

[13] Nora Benachour and Gilles-Eric Seralini, "Glyphosate Formulations Induce Apoptosis and Necrosis in Human Umbilical Embryonic, and Placental Cells", Chemical Research in Toxicology Journal, American Chemical Society, 2009, 22 (1), pp 97–105.

[14] Robin McKie, "GMO Corn Set to Stop Man Spreading His Seed", London, The Observer, 9 September 2001.

[15] Ibid. McKie writes, "The pregnancy prevention plants are the handiwork of the San Diego biotechnology company Epicyte, where researchers have discovered a rare class of human antibodies that attack sperm…the company has created tiny horticultural factories that make contraceptives…Essentially, the antibodies are attracted to surface receptors on the sperm," said Hein. "They latch on and make each sperm so heavy it cannot move forward. It just shakes about as if it was doing the lambada."

[16] Ted Turner, cited along with youTube video of Turner in Aaron Dykes, Ted Turner: "World Needs a ’Voluntary’ One-Child Policy for the Next Hundred Years", Jones Report.com, April 29, 2008.

[17] John Harlow, "Billionaire club in bid to curb overpopulation", London, The Sunday Times May 24, 2009.

[18] Ibid

[19] United Nations Foundation, Women and Population Program.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

11 Coisas que você precisa saber antes de fazer uma doação

Fazer caridade não é simplesmente assinar um cheque e entregá-lo a uma entidade beneficente. Para que seu ato seja eficaz, é preciso participar.
Por Dalen Jacomino

Seriam os brasileiros pessoas generosas? A se fiar nas estatísticas disponíveis, nem tanto. Cada brasileiro que paga imposto de renda desembolsa, em média, 23 reais por ano em doações. Nos Estados Unidos, são gastos 780 reais (400 dólares) com esse mesmo objetivo.

Essa diferença tem algumas explicações. A primeira delas, óbvia, é que os brasileiros, em média, têm menos dinheiro que os americanos. A segunda é mais complicada: não faz parte da cultura nacional levar a sério contribuições para obras ou entidades meritórias. Enquanto os americanos são conhecidos por sua tradição em fazer filantropia, os brasileiros ainda estão no pré-primário desta escola. Podem dar, e dão, uma esmola aqui e ali para o mendigo que estende a mão, mas em geral, têm pouco interesse em ações consistentes de ajuda ao próximo.

O resultado é que há uma distância longa entre a maioria das instituições beneficentes e seus colaboradores potenciais, sejam empresas ou pessoas físicas. A falta de transparência na administração das entidades, a pouca divulgação dos resultados dos projetos e a escassez de orientações sobre como fazer a doação de forma eficiente atrapalham ainda mais essa situação.

Dados apresentados pela CPM - Centro de Pesquisa Motivacional, revelam, por exemplo, que 54% dos jovens brasileiros querem ser voluntários mas não sabem como começar. Os motivos são diversos. Em geral, as pessoas fazem doações ou contribuições por pressão do grupo, culpa, obrigação ou por prazer. Seja qual for o seu motivo, é preciso encarar o ato de caridade como um negócio, que envolve pesquisas prévias, definição de metas e acompanhamento dos resultados. Mas, fique atento. www.filantropia.org
Artigos Especiais

Quem Somos
Fale Conosco
Certificado de fins filantrópicos
Tributação do Terceiro Setor
Como criar uma ONG
Imprensa
Anuncie Aqui
Avise um amigo deste site
Avalie este site
Mapa do Site
Projeto Social
Sua Empresa Causa Uma Boa Primeira Impressão?
Gestores do
Terceiro Setor
Cadastre a Sua Entidade
Encontre voluntários
Pesquisas do Terceiro Setor
Saiba Mais!
Personalidades que são Voluntários
Livros sobre o 3º Setor
Links Interessantes



Nesse caso, o que se mede não são os resultados financeiros, mas sim, os benefícios efetivos que poderão ser alcançados com o auxílio de sua contribuição. "É preciso mais racionalidade e menos emoção na hora de se fazer uma doação", afirma Léo Voigt, vice-presidente do Gife - Grupo de Instituições, Fundações e Empresas - que reúne mais de 40 entidades filantrópicas brasileiras. "É muito fácil errar na área social".
Prova disso é que o chamado Terceiro Setor, o social tende a se profissionalizar cada vez mais. A Harvard Business School, nos Estados Unidos, tem especializações voltadas para as questões sociais. A Fundação Getúlio Vargas possui uma cadeira específica sobre o assunto, que orienta a administração de trabalhos voltados para a comunidade. A Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, USP, e a Pontifícia Universidade Católica, PUC, também contam com núcleos de estudos sobre o assunto.

Para ajudá-lo a não errar na hora de doar, VOCÊ S.A. ouviu especialistas do mercado e preparou o roteiro a seguir. Veja os 11 itens mais importantes a serem considerados para que você não jogue seu dinheiro fora e realmente ajude quem precisa.

1) Aprenda com os erros dos outros

Se você não tem experiência no assunto, vá com calma. Afinal, ninguém quer ver seu dinheiro escorrer pelo ralo. Primeiro, aproxime-se de quem já está habituado a fazer doações, como amigos, vizinhos ou representantes da comunidade. Aprenda como essas pessoas executam as contribuições. Tire suas dúvidas, peça dicas, questione, discuta vantagens e desvantagens, "Esse primeiro contato é muito importante, porque, com ele, você poderá evitar enganos que já foram cometidos pelos outros", afirma Léo Voigt, do Gife.

2) Defina a área que mais precisa de sua ajuda

Você já pensou em ajudar crianças e adolescentes carentes? Ou, então, em contribuir com projetos de recuperação do meio ambiente? Que tal bancar parte do tratamento de doentes de câncer? Todas essas áreas precisam muito de ajuda, mas você deve escolher uma. Essa decisão é resultado de sua própria reflexão. Se optar por mais de uma área, tenha cuidado para não se perder em meio a vários projetos e objetivos diferentes.

3) Em que região deve estar localizada a entidade beneficiada?

O próximo passo é a escolha da área geográfica. Muitas pessoas preferem estar bem próximas das entidades que ajudam: a creche do bairro ou a entidade que abriga deficientes físicos da própria cidade. Nesse caso, há uma vantagem. Você poderá verificar no dia-a-dia, como suas contribuições serão aplicadas. Outras pessoas acreditam que projetos em outros estados, como as famílias atingidas pela seca no Nordeste ou a destruição da Floresta Amazônica, são mais importantes. Entidades locais ou não, a escolha é sua.

4) Monte uma lista das entidades candidatas à doação

Esta etapa é a mais trabalhosa. Apesar de já ter em mente o perfil da instituição que pretende apoiar, é preciso definir uma. Para isso, comece com um levantamento de todas as entidades que se enquadram nas características traçadas anteriormente. Se você não tem idéia, visite o site www.filantropia.org ou consulte as registradas nos conselhos Municipal e Estadual. Estes últimos são órgãos, compostos por representantes do governo e pela população, que acompanham e auxiliam o trabalho de algumas entidades beneficentes.

Normalmente, eles têm um material amplo sobre as instituições e suas atividades. No caso de crianças, há o Conselho da Criança e do Adolescente, que poderá oferecer informações. As Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais podem ser uma referência para quem pretende ajudar esse grupo.

O Gife também conta com uma página na Internet (www.gife.org.br) que reúne institutos, fundações e empresas que têm projetos em filantropia. Há uma ficha sobre cada uma delas disponível no site.


5) A visita às instituições pode ser fundamental para uma decisão correta

Depois da pesquisa, escolha duas ou três instituições que mais se adequam aos seus critérios e faça uma visita. "É muito eficaz verificar pessoalmente (olho no olho) como funciona a instituição e qual o estado de suas instalações", afirma Oded Grajew, presidente do Instituto Ethos e do Conselho de Administração da Fundação Abrinq. Descubra qual é a essência do trabalho desenvolvido. Por exemplo, numa creche, os dirigentes não devem apenas dizer quantas crianças abrigam, mas como o fazem, quais os projetos para incrementar as atividades ou as metas para ampliação do prédio onde está localizada. "O objetivo de uma instituição não lucrativa é melhorar a qualidade do seu serviço a cada dia", afirma Allison Fine, diretora executiva da Innovation Network, uma consultoria de entidades beneficentes de Washington, Estados Unidos.

Peça também uma lista das pessoas que estão na linha de frente da entidade. Conheça melhor suas idéias e seus valores. Quanto mais você mantiver contato com essas pessoas, menos surpresas desagradáveis terá. Não tenha vergonha de pedir informações sobre as finanças da entidade. Pergunte se as contas são controladas por alguma auditoria periódica. Peça para dar uma olhada nos balanços. Se o trabalho for sério, a direção da entidade não terá problema algum em apresentar esses dados.

6) Desenvolva um trabalho em conjunto com a entidade

Definido o nome da instituição, é hora de você começar a trabalhar em parceria. Léo Voigt sugere que a entidade apresente um projeto por escrito para o qual seria destinada a doação. Um roteiro de como serão feitos os investimentos, qual o retorno que se espera do projeto, prazos etc. "Um dos principais erros cometidos atualmente pelas pessoas e empresas que fazem doações é que elas não se informam direito sobre o que será feito com o dinheiro e criam expectativas, muitas vezes, irrealistas. Acham que vão mudar o mundo", afirma Voigt. Em alguns casos, quando se sabe qual será o projeto beneficiado, é possível organizar um calendário de doações. Elas podem até ser realizadas em etapas e não de uma só vez.
Além disso, ao ter em mãos um documento fica muito mais fácil cobrar depois.

7) Esteja atento aos resultados

Não pense que sua participação chegou ao fim. Se você desistir agora, pode pôr tudo a perder. Para qualquer doação ser eficaz, você precisa acompanhar os resultados. Para estar ligado, peça informes periódicos para a entidade. Dados como o número de pessoas beneficiadas pelo projeto, o que foi concluído e o que ainda falta. Dessa forma, você corre menos riscos de ver seu dinheiro aplicado em projetos ineficazes. "Se você faz uma doação para uma escola pobre, não quer ver seu dinheiro aplicado na reforma da sala do diretor, mas na compra de material didático para os alunos", diz Voigt.

8) Você não é o dono da bola só porque fez uma contribuição à entidade

Tenha cuidado para não inverter os papéis. Não é porque você fez uma doação para determinada entidade que poderá entrar lá e comandar tudo do seu jeito. "Esse é um dos equívocos mais comuns cometidos pelos colaboradores, que acabam se sentindo os donos do pedaço", afirma Oded Grajew, do Instituto Ethos. É preciso respeitar o trabalho da instituição e até ajudar com seu conhecimento ou experiência, mas sem mudar o que já é feito com eficiência.

9) Há Benefícios Financeiros?

Os benefícios financeiros de se fazer uma doação são irrisórios. Não há um programa eficaz de estímulo à filantropia no país. Uma das exceções é a cultura. Qualquer pessoa pode ajudar o financiamento de um projeto cultural e ter esse valor deduzido até 6% (pessoa física) e 4% (pessoa jurídica) do imposto a pagar. No caso dos filmes, a dedução é de até 3%. Quem ultrapassa esses limites não tem restituição sobre o excedente. Além da cultura, as doações ao fundo da Criança e do Adolescente também contam com benefício fiscal. O limite da dedução do imposto é de 6% para pessoa física e 1% para pessoa jurídica.

10) Talvez você possa ser um sócio-contribuinte

Você não tem tempo para fazer tudo isso. Sua carga horária no trabalho e com as atividades em casa está totalmente tomada. Você não tem condições de acompanhar os resultados do projeto e nem manter um contato mais próximo com a entidade. Há ainda uma última saída. Você pode tornar-se sócio-contribuinte. Nesse caso, você escolhe a entidade e faz doações periódicas. Nos fundos dos conselhos municipais e estaduais ou da Criança e do Adolescente, por exemplo, a própria comunidade realiza a fiscalização periódica sobre o destino das verbas recebidas. Não há necessidade de um acompanhamento mais intenso.

11) Seja voluntário

Você pode ainda contribuir com entidades beneficentes sem fazer doações em dinheiro. Seja um voluntário. Para isso, aproveite seu conhecimento ou experiência em determinada atividade e ponha isso em prática. "O voluntário de hoje pode ser o doador de amanhã", afirma Stephen Kanitz, organizador do Prêmio Bem Eficiente. Se você não souber por onde começar, na Internet (www.voluntarios.com.br) há uma lista de mais de 4 850 entidades que precisam de seu trabalho. É só dar um clique no seu mouse e pôr a mão na massa.



Artigo Publicado na Revista Você S.A. - fevereiro 1999 - ano 1 nº 8.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Os direitos de propriedade intelectual

Os direitos de propriedade intelectual

Mouhamadou Moustapha Lo

Por trás da expressão “Direitos de propriedade intelectual” esconde-se, na realidade, uma batalha cultural, política e comercial mundial. Não vivemos nós em um mundo no qual alguns grupos industriais dos países do Norte, ao monopolizarem algumas patentes ou licenças, conseguem impor aos demais (a maioria) limites para o uso de obras e de trabalhos?

No momento atual, a tendência dominante visa à relacionar os “direitos de propriedade intelectual” com seu único aspecto econômico. É isso que explica porque as negociações centrais ocorreram sob a égide da OMC (Organização Mundial do Comércio) e não da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, ciência e cultura) ou da OMPI (Organização Mundial da Propriedade Intelectual).

Mesmo a Cúpula mundial da Sociedade da Informação evita o tema, visto que se trata do principal fundamento jurídico e social para a criação e a transmissão do conhecimento.

Mas esta situação está mudando e numerosos países do Sul se unem, em todas as estruturas que debatem a propriedade intelectual, a chamar a atenção para suas preocupações.

Assim, quinze países propõem à OMPI a redação de uma “Iniciativa para o desenvolvimento”, o que concorda com a ação de entidades da sociedade civil que desejam redigir um tratado para o “livre acesso ao conhecimento” . Do mesmo modo, a proteção da “diversidade cultural” tem sido defendida no seio da UNESCO, recusando-se o alinhamento da criação sobre as regras do comércio.

Igualmente, os software livres, as licenças do tipo Creative Commons, a defesa de um patrimônio digital mundial e o papel central das bibliotecas na circulação da informação digital são idéias defendidas no seio da SMSI tanto pela sociedade civil quanto por alguns países em desenvolvimento.

O que cobrem os “direitos de propriedade intelectual”?
Os direitos de propriedade intelectual constituem um conjunto de normas jurídicas às quais se pode apelar para fins de proteção, de indenização e de manutenção dos direitos ligados a uma “criação intelectual” (invenção, idéia técnica, obra artística, design de objetos ou marca registrada, etc.)

Eles cobrem diversos setores: no cerne da propriedade literária e artística (direitos autorais ou copyright) e da propriedade industrial (patentes, a marca, desenhos ou modelos), mais também cada vez mais as regras do direito e os tratados relacionados com os saberes nativos e tradicionais, a biodiversidades, os direitos dos camponeses ou a saúde pública.

Trata-se de uma vontade recente, datada dos anos 1980, que provoca o agrupamento dessas abordagens em um único quadro global tratando de todas as obras e trabalhos imateriais.

O termo consagrado nos dias de hoje no direito e nos debates mundiais sobre “Direitos da propriedade intelectual” é a tradução de uma opção política e econômica que tem por fim considerar a “propriedade intelectual” como um “direito natural”, a exemplo da propriedade da terra ou do meios de produção.

Ora isso é altamente contradito tanto pela história como pela análise das conseqüências dramáticas que podem ocorrer com essa medida se ela for levada a efeito.

O direito de propriedade intelectual tem uma longa história. A partir do “Statute of Anne”, lei britânica, primeira tentativa de redigir um “direito do autor” em 1710, a propriedade literária foi concebida como um direito de equilíbrio entre os interesses da sociedade (“estimular os homens esclarecidos a compor e escrever livros úteis”) e os dos autores.

Esses últimos dispõem do monopólio de utilização de suas obras, que não podem ser editadas ou representadas sem seu consentimento. Mas numerosas “exceções e isenções” estão presentes em todas as legislações que tratam da criação.

Estas visam à defender a capacidade da sociedade de utilizar o conhecimento que está incorporado nas obras e a facilitar o acesso a elas e sua circulação: exceções para a educação e as bibliotecas, direito de cópias privadas, direito de citação, direito de caricatura, direito de transcrição para favorecer o acesso para as pessoas incapacitadas, etc.

Acresça-se que, tradicionalmente, a propriedade literária e artística refere-se à forma da criação e não às idéias que estão contidas nela. Ela engloba não só a obra de arte original e a escrita criadora, mas igualmente as bases de dados informatizadas e os programas de informática.

Esta relação de equilíbrio entre os criadores e a sociedade se manifesta plenamente na existência de um “domínio público” no qual encontram-se obras transcorrido um determinado período (hoje 70 anos após a morte do autor, 50 anos após sua difusão para as interpretações musicais, 20 anos após a liberação para as patentes, 70 anos após seu depósito para os desenhos e modelos, etc.).

Esse “domínio público” enriquece-se, também, com os trabalhos criados pela pujança pública (leis, registros, decisões, relatórios, etc.), as descobertas científicas e os dados experimentais (decodificação do genoma humano, teoremas matemáticos, etc.). Enfim, percebe-se o surgimento da noção de “domínio público consentido”, na qual os próprios autores e criadores decidem converter suas obras no momento de sua criação.

É, por exemplo, o caso dos software livres, das licenças de uso do tipo Creative Commons, arquivos de dados de conhecimentos, arquivos abertos para a publicação da ciência...

O sistema de patentes por seu lado, concede direitos exclusivos de propriedade sobre o objeto da patente, mais precisamente sobre as “reivindicações” que se seguem à descrição técnica da invenção. Esse sistema oferece a seu titular o direito de impedir que qualquer outra pessoa utilize, fabrique ou venda o objeto da patente, ou se utilize da técnica ou do processo durante determinado período, em troca da inscrição de seu conhecimento em um documento técnico.

Em sua origem, as patentes foram concebidas não para impedir o acesso ao conhecimento mas, ao contrário, para proporcioná-lo. Isso permitiu aos países então emergentes, como os Estados Unidos durante todo o século XIX, utilizar o conhecimento anterior ou “estrangeiro”, pois as patentes deviam designar os países aos quais se aplicam. Assim pois, a patente é destinada a estimular a criatividade e a invenção e é ela um privilégio concedido a indivíduos em benefício da sociedade.

O mérito e a pertinência do “patenteamento” não atinge a unanimidade. As negociações comerciais mundiais atuais têm por fim impedir o uso pelos países em desenvolvimento dessa oportunidade econômica. Os países em desenvolvimento desejam estender a todo o mundo as suas próprias normas, o que representa um problema de equilíbrio para os países do Sul que não possuem as capacidades de investimento necessárias para esta corrida contra o relógio.

A propriedade intelectual diante das redes e da tecnologia digital

Os computadores e em maior margem a digitalização da cultura e do conhecimento, de um lado, e as redes que oferecem a capacidade de fazer circular rapidamente esses objetos digitais em escala mundial de outro, abrem um novo desafio às normas da propriedade intelectual.

Como redigir, em escala global, um novo equilíbrio que permita favorecer a criação e a inovação ao mesmo tempo que garanta o acesso de todos ao conhecimento e o compartilhamento mundial dos benefícios da pesquisa?
Os novos suportes nascidos da emergência das TICs provocam a aceleração das inovações e a mundialização dos intercâmbios. Conseqüentemente, a urgência impõe uma outra abordagem, um direito da propriedade intelectual novo que afaste todo diktat dos grupos industriais dos países do Norte.

Os direitos de propriedade intelectual não podem ser concebidos unicamente como uma extensão do monopólio de utilização de um pensamento ou de uma obra intelectual, mas devem levar em conta outros interesses. A título de exemplo, a aceleração da inovação em setores como os da informática ou das biotecnologias acentua as divergências de posição entre os países do Norte e os do Sul.

Os direitos de propriedade intelectuais devem consagrar um direito de propriedade ao lucro dos criadores, apresentando limites por meio de obrigações em relação aos usuários, em nome do direito de acesso às informações, um direito fundamental.

A fim de delimitar adequadamente os desafios do debate atual, é preciso começar por ter uma visão clara do que é compreendido pela expressão “direitos de propriedade intelectuais”. A abordagem jurídica nos oferece dois tipos de visões: estática ou dinâmica.

A primeira consiste em se ficar satisfeito com herança, tradições, privilégios . Os direitos de propriedade intelectuais aparecem, assim, como um conjunto de textos cuja aplicação suscita dúvidas. Foram definidas numerosas normas nacionais, regionais e internacionais, destinadas principalmente a reforçar o monopólio sobre as obras e as invenções dos autores, dos inventores e, o mais importante, das empresas que valorizam e distribuem essas criações.

Esta tendência a editar leis de controle da circulação do conhecimento, acentuada pela implementação de “medidas técnicas de proteção” diretamente no interior dos documentos digitais, corresponderá aos desafios atuais da sociedade da informação? Esta concepção ocidental da questão é contestada pelos países do Sul, vítimas da regra do primeiro a chegar, primeiro a servir-se. Toda criação implica no início do processo uma proteção mas convém avaliá-la, equilibrá-la, de modo a não frear o processo de produção ou de acesso à informação no final.

A segunda visão, dinâmica, considera que os direitos intelectuais devem facilitar antes de mais nada a expressão de idéias, sua circulação transversalmente às tecnologias da informação e da comunicação (TIC) e até chegar à sua reutilização sistemática.

A sociedade da informação modifica as modalidades da criação e sobretudo da transmissão das obras. As TIC, abrindo outras perspectivas com uma maior difusão das obras, criam novamente modelos econômicos de um lado e, de outro, permitem uma maior acompanhamentos dos usos. Isso é válido tanto para as pessoas físicas quanto para as indústrias e os países em desenvolvimento. Nesse contexto, os países do Sul trabalham a favor do reforço e ampliação dos direitos dos usuários.

Eles preconizam a comprovação da inventividade nos mecanismos jurídicos a serem introduzidos. Além disso, segundo eles, não seria pelo fato de que um grupo de países industrializados detenha o monopólio mundial de patentes (97% das patentes são registradas para os países desenvolvidos) que esses países têm o direito de exigir dos países em desenvolvimento um alinhamento nos termos de suas próprias normas.

Isso significa a reprodução da dominação fazendo com que esses países concorram com fortes desvantagens para serem admitidos no seio do sistema mundial de intercâmbio. Trata-se, também, do controle do saber (aí compreendida também a censura). Martin Khor considera que para favorecer o livre acesso mundial ao conhecimento, convém limitar “o alcance do copyright e das patentes em favor dos consumidores e do interesse público”.


Uma evolução mercantil que destrói o equilíbrio

A controvérsia em curso foi suscitada pela atitude de um grande número de grupos de pressão - atuando no universo da criação ou novas profissões da tecnologia digital - que desejam agir sobre os direitos de propriedade intelectuais. Sua ação concertada conduz à imposição da idéia de uma mercantilização da informação, uma visão estritamente econômica da propriedade intelectual . Essa evolução se dá às expensas dos bens comuns da informação e das exceções aos usos que favoreçam a circulação do conhecimento.

Além disso, ela visa à ampliar a continuidade do campo da propriedade intelectual, chegando mesmo a tocar as regras fundamentais e os setores vitais para a humanidade (medicamentos, genética, patenteamento de organismos vivos, sementes agrícolas, conhecimentos tradicionais, dados geográficos e botânicos, etc.). Isso confere às questões relativas ao direito da propriedade intelectual uma nova importância no universo digital e, em maior margem, em todas as técnicas da era da informação.

A via do lucro máximo impulsiona os grupos industriais dos países do Norte a patentear tudo que puder ser imaginado para o futuro. Eles colocam, também, numerosos entraves às técnicas em gestação, assim sendo os conhecimentos, freqüentemente, encontram-se longe de serem formalizados.

A parte descritiva das patentes registradas perde, assim, seu interesse para a transmissão do saber técnico. A patente presta-se mais para se explorar tranqüilamente o futuro do que para proteger uma inovação existente. Como resultado, limita a pesquisa e o desenvolvimento.

Aumenta também de maneira inevitável o fluxo de pagamentos dos países do Sul para os países do Norte, a título de direitos sobre posse (royalties) e de obrigações aos detentores das patentes.

Essa abordagem conduz à multiplicação de patentes voltadas diretamente para o conhecimento (algoritmos e software de informática, seqüências genéticas), as formas de organização do mundo (patentes ditas de “método”), as moléculas químicas (e não apenas seu processo de fabricação), os conhecimentos ancestrais (a “biopirataria”), os vegetais, os animais e em sentido mais amplo todos os seres vivos.

Com a “patente de organismos vivos”, que consiste em oferecer a uma empresa ou um indivíduo a propriedade sobre um componente do ser vivo, descobre-se uma versão intelectualmente aberrante e humanamente inaceitável da propriedade industrial. É preciso ter em mente que até os anos 1990, o sistema de patentes envolvia, essencialmente, os objetos inanimados e os processos mecânicos.

Ao se apoiar sobre o registro dessas patentes, as empresas transnacionais desejam proibir aos países do Sul o uso dos conhecimentos para lutar contra as calamidades que as oprimem. A mais perfeita ilustração encontra-se no processo intentado por diversas multinacionais do setor farmacêutico contra o governo sul-africano quando este procurou democratizar o acesso ao atendimento de saúde para os doentes de aids.

As exceções que ainda existem nos tratados internacionais, como o tratado da OMC, por exemplo sobre as licenças legais dos medicamentos, por razões de saúde pública, são reconsideradas a cada negociação e demolidas indiretamente pelo viés das negociações bilaterais.

No domínio cultural, assiste-se igualmente à uma ampliação do campo dos direitos autorais para além de um sistema equilibrado. Novos setores são corroídos (desde as publicações científicas até aulas de professores), produções mecânica são encontradas sob a égide do direito autoral (ex.: as fotografias automáticas, como aquelas de satélites, entretanto tão úteis para a prevenção de catástrofes).

As empresas intermediárias, como as mídias ou as editoras científicas, apóiam-se numa interpretação de mão única do direito do autor para adicionar restrições ao livre acesso à cultura, principalmente na escola, nas universidades e nas bibliotecas.

Essa ampliação da propriedade, bem como a ampliação dos domínios cobertos, segue dois eixos: o do tempo (alongamento da duração da propriedade) e o dos usos. Com as “medidas de proteção técnica” (DRM: digital right management systems) ou o “direito dos difusores” (“broadcast flag”), os detentores de direitos desejam poder acompanhar os usos privados dos documentos digitais, o que constitui uma grave ameaça para a liberdade de expressão, a vida privada e os Direitos do homem.
Até o presente, todos os mecanismos capitalistas de difusão da informação tiveram por fim criar artificialmente uma escassez de informações. Trata-se de uma estratégia de monopolização.

Ora, no domínio do conhecimento, a posse por um não significa absolutamente expropriação dos outros. Pode-se possuir completamente uma informação e intercambiá-la sem por isso tornarmo-nos expropriados.

É a busca por um equilíbrio, que leve em conta essa natureza dos bens imateriais, que a sociedade civil, em conjunto com os Estados em desenvolvimento, almeja com a ação levada a efeito em escala mundial para obter um “Tratado para o livre acesso ao conhecimento”.

Trata-se de permitir a todos, e especialmente aos países em desenvolvimento, utilizar os conhecimentos da humanidade para confrontar os males do século XXI. Construir um domínio público universal da informação aparece como uma necessidade urgente.

De agora em diante, a técnica nos proporciona as condições dessa realização. É preciso que as regras jurídicas e econômicas permitam a realização.A proteção dos direitos intelectuais não deve ser um obstáculo em um mundo no qual todos poderiam produzir, intercambiar e contribuir para com os potenciais intelectuais e os recursos protegidos, quer dizer para um domínio público aberto, de recursos comuns. Este domínio público universal das informações supõe uma definição clara e perfeita dos direitos reconhecidos, tanto aos criadores quanto aos usuários.Todas as invenções merecem recompensas pelos esforços despendidos. Os países do Sul não contestam essa realidade em nenhum aspecto.

Entretanto, somente as inovações que são verdadeiramente únicas, novas ou criativas merecem ser protegidas. Essa opção equivaleria a recompensar a criação e a inovação e não a favorecer os detentores de portfólios dos direitos de propriedade. A época das restrições deve ser encerrada pois “quanto mais as pessoas tiverem acesso livre aos organismos intelectuais, mais elas serão capazes e estarão desejosas de consagrar seu tempo a acessar e a criar entidades de valor” .

A recompensa deve ser a resposta a qualquer esforço inovador. Mas, nem tudo deve ser patenteado. Em princípio, todas as invenções intelectuais devem estar destinadas ao domínio público, a menos que seja necessário possibilitar sua apropriação temporária, e mesmo assim, somente se isso não significar discriminações inaceitáveis.

A atribuição de um direito de propriedade, a um preço justo, não deve ser aceita a menos que o investimento em questão seja tão importante que leve à exclusão de qualquer retribuição econômica sistemática.

O reconhecimento de um valor primordial de bens comuns da informação livremente acessíveis e utilizáveis por todos está longe de ter sido atingido. No presente momento, o exemplo mais visível são os softwares livres. É o único bem comum informático que atingiu sua maturidade.

Seu uso se generaliza pouco a pouco, pelos usuários privados, mas também no núcleo das administrações e dos serviços de numerosos países ou coletividades territoriais. É preciso caminhar mais rapidamente e permitir a todos o acesso às outras fontes de informação. Para isso, passa uma solução pela redução da duração da propriedade antes do acesso ao domínio público. Já chegou a hora de torná-la suficientemente curta de modo que a acessibilidade se torne mais fácil e mais rápida em nossos dias.

O direito é uma formalização das relações sociais. Nesses termos, os direitos de propriedade intelectual representam uma questão política que deve ser discutida como tal pelos governos e pela sociedade civil.

Considerada a importância das informações para a vida cotidiana, para a educação das gerações futuras e para o desenvolvimento econômico sustentável e a proteção da natureza, convém assegurar sua proteção pelos Estados nisso associando os usuários e os poderes econômicos e científicos. Não deve ser o mercado que deve ditar sua lei e não podemos deixar se instalar uma situação na qual grandes grupos compartilhem entre eles todo o conhecimento do mundo.

As sociedades da informação não serão realmente inclusivas se não existir um domínio público universal da informação funcionando em benefício de todos. A verdadeira harmonização dos direitos de propriedade intelectual passa por um ¬reequilíbrio entre os proprietários e os usuários, como também entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento. A informação deve servir à humanidade e que no saber resida o vínculo com o desenvolvimento.

http://vecam.org

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Mapeamento inédito identifica as áreas importantes para conservação de aves ameaçadas

No Ano Internacional da Biodiversidade, publicação lançada pela SAVE Brasil completa o mapeamento das aves ameaçadas no Brasil e áreas que devem ser conservadas.

A Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil – SAVE Brasil, representante nacional da BirdLife International, uma aliança global de organizações não-governamentais (ONGs) que tem um foco especial na conservação das aves e seus hábitats, lança, com o apoio do Museu de Ciências Naturais (FZB-RS), o estudo “Áreas Importantes para a Conservação das Aves no Brasil: Parte II – Amazônia, Cerrado e Pantanal”. Trata-se da segunda parte de um mapeamento que apresenta as IBAs (sigla em inglês para Áreas Importantes para a Conservação das Aves) no Brasil, e as espécies ameaçadas.

O estudo identificou 74 áreas com requisitos para serem reconhecidas como IBAs nos estados do Norte e do Centro-Oeste do país, o que representa cerca de 82 milhões de hectares que devem ser conservados para a preservação de aves ameaçadas nessas regiões. Do total de IBAs, apenas 12 estão totalmente protegidas e 30 parcialmente protegidas (parte da área está sobreposta com alguma Unidade de Conservação), enquanto outras 32 áreas não contam com nenhum tipo de programa de conservação.

Para se chegar a esse número, mais de 60 profissionais, entre ornitólogos e biólogos, analisaram 450 áreas e consideraram cerca de 700 espécies. Do número de espécies analisadas, 30 são classificadas como globalmente ameaçadas de extinção e 37 quase ameaçadas, enquanto outras 240 são espécies restritas aos Biomas estudados (endêmicas) ou com área de ocorrência menor do que 50 mil km2. Foram consideradas também 11 espécies migratórias e congregantes, para as quais a manutenção dessas áreas também é fundamental.

De acordo com Pedro Develey, diretor de Conservação da SAVE Brasil, a publicação do livro traz contribuições importantes para a conservação da biodiversidade das regiões Norte e Centro-Oeste, uma vez que os três Biomas analisados estão sob considerável ameaça em relação à destruição de hábitat e a consequente perda de espécies. “As espécies de aves de uma determinada área são importantes indicadores do estado de preservação desse ambiente. Algumas espécies de aves apresentam distribuição bastante restrita, de forma que a destruição de uma área, ainda que pequena, pode causar a extinção de uma espécie. Além disso, se as áreas mais importantes para as aves forem conservadas, a contribuição para toda a biodiversidade da região será valiosa”.

IBAs somam 11% do território nacional

Com o estudo dos biomas Amazônia, Cerrado e Pantanal a SAVE Brasil completa o mapeamento das áreas importantes para conservação de aves ameaçadas no Brasil. A primeira parte do trabalho, publicada em 2006, analisou os estados sob o domínio dos biomas Mata Atlântica, Caatinga, Pampa e parte do Cerrado, identificando 163 IBAs nessas regiões. Agora, com o lançamento do segundo livro, o número de IBAs brasileiras sobe para 237, o que representa 94 milhões de hectares ou 11% do território nacional. “Esses dados classificam o Brasil como um dos países com a maior extensão territorial dedicada a IBAs, número que infelizmente reflete a liderança em espécies ameaçadas, 122 num total de 1.882 espécies classificadas”, observa Develey.

De acordo com ele, do total das IBAs brasileiras, apenas 21% estão totalmente protegidas, 39% estão parcialmente protegidas e 40% não estão protegidas. “Esperamos incentivar a elaboração de políticas públicas, como as Unidades de Conservação (UCs), para que essas áreas sejam preservadas, mas educação ambiental e conscientização também fazem parte do processo. As autoridades, ONGs locais e a população são atores-chave para esses resultados”, conclui.


Sobre a SAVE Brasil

A Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil – SAVE Brasil é uma organização da sociedade civil e sem fins lucrativos voltada à preservação das aves brasileiras. Representante nacional da aliança de organizações conservacionistas BirdLife International, a SAVE Brasil foi criada em 2004 a partir do Programa da BirdLife International, iniciado no Brasil em 2000. Com a missão de preservar as aves, os seus hábitats e a biodiversidade em geral, a SAVE Brasil trabalha de maneira participativa e atua no desenvolvimento de estratégias e ações de conservação, integrando a sociedade, empresas e governos.


Sobre a BirdLife International

Criada em 1994, a BirdLife International é a maior aliança de organizações de conservação do mundo, dedicada à conservação das aves e dos seus hábitats. A BirdLife International tem representantes em mais de 100 países ao redor do mundo, tendo sua sede em Cambridge, Inglaterra. Mais informações no site birdlife.org.